Sobre: perder-se

E se o mundo tivesse data para acabar? Ou se as pessoas tivessem conhecimento suficiente para saber o dia e hora, exatos, que elas iriam morrer? Você já parou para pensar por que algumas pessoas tem medo da morte? Talvez o medo seja de viver pra ver, depois da morte, que você esteve morto a vida inteira... Medo de olhar para trás -ao som de Épitáfio, do Titãs- e enxergar tudo que podia ou devia ter feito e não fez. Perca-se nos seus desejos. 


E se o tempo não existisse? Se o relógio, calendário, tudo que determinasse o tempo, fosse inexistente? Você já parou pra pensar que o tempo, na verdade, é uma forma de organização das civilizações, cada uma no seu espaço? Como diz um grande amigo meu: "O tempo define o próprio tempo. A gente só faz construir a porra do relógio.". Então, de repente, o tempo torna-se algo moldável... Ele define seu próprio tempo. Pense que você é o responsável por você mesmo. Você tem seu tempo; seja para estudar, namorar, trabalhar, aceitar, para qualquer coisa. Mas acabamos prestando tanta atenção no tempo dos outros que perdemos um tempo, que era pra ser nosso, com coisas fúteis. Perca-se no tempo.


E se de repente a vida te desse uma chance de fazer tudo diferente? Mudar tudo por um curto período definido de tempo a ponto de mudar você. Ter o tempo, em tempo do tempo. Perder-se. No sentido de arriscar, seguir intuição, fazer o que quiser... Você já parou pra pensar que se perder, pode ser uma forma de se achar? Entretanto, tudo tem um limite... Entender isso é sensato. E a sensatez é uma importante característica para quem se dispõe a perder-se. Para isso, é necessário desapegar do relógio; esquecer o tempo marcado e só se preocupar com o tempo vivido. É necessário entender também que "o final é inevitável" e que se você não for você mesmo, antes de tudo acabar, talvez tudo pareça em vão. É necessário entender que "às vezes, o jeito como a gente pensa em alguém, não é exatamente o jeito como a pessoa é.” e que "cada um tem o seu milagre"... E o meu milagre? Bom, eu preciso me perder para encontrá-lo.


*As frases em destaque foram retiradas do livro 'Cidades de Papel', do John Green.