Vai ficar tudo bem, é sério!

*Eu podia transformar o que você vai ler abaixo em uma grande metáfora, cheia de trocadilhos, brincadeira com as palavras e figuras de linguagem (como de costume), mas resolvi, dessa vez, abordar o assunto do post de forma diferente. Afinal, a vida é imprevisível. E isso é muito bom. 
Então levanta daí e se permita viver!

Sabe quando você acorda e parece que tudo tá uma merda? Parece que o dia vai ser um lixo e pra piorar você é possivelmente mais um caso de hipocondríaco, que acordou com o olho vermelho, e já acha que teve um derrame, na madrugada, enquanto dormia. Como se não bastasse, você também é ansioso e essa situação faz seu peito doer, seus pés gelarem e suas mãos transpirarem feito coisas que transpiram muito. Ok, agora você está quase infartando. Mas decide fazer alguma coisa, para não morrer daquele jeito (percebeu a gradação decrescente né?). Então, sozinho, em casa, por volta das nove e meia da manhã, tendo crise de ansiedade e um possível ataque cardíaco... Você decide ir à academia.

Depois de um trajeto sofrido, pensando demais. Seu amigo, fala com você e te calma explicando o que a ansiedade faz, e o que ela quer que você faça. Sua instrutora, também, fala e explica que você não teve um derrame ou uma possível hemorragia (hipocondríaco, mesmo). E sua amiga surge, na academia, e ri da sua cara dizendo que você parece o Melman, do Madagascar (às vezes a gente precisa rir da gente pra perceber a situação ridícula em que estamos nos colocando, perante a vida).


Então você volta pra casa, já com um astral melhor e acreditando piamente que não teve um derrame (afinal, seu olho já está voltando ao normal). Você começa a ler o livro da Jout Jout e percebe que crises é algo mais comum do que parece, inclusive, as crises se parecem. Chega a tarde e você sai com seu amigo (o que te ajudou mais cedo) conversa, ri, se assusta, paga um sorvete pra uma mulher (que pediu para seu filho), paga um sorvete, também, pro seu amigo (que te deve um cinema, inclusive), quase derruba seu sorvete e ao tentar convence-lo (seu amigo, não o sorvete) de ir tomar um banho de mar; você é encontrado pelas pessoas mais aleatórias e as melhores à serem vistas! Sabe aquela galera que aumenta seu astral em um nível surreal? Pois é. E vocês conversam, tiram fotos, assistem o por do sol, escutam música, se abraçam, comem 60 coxinhas e uma Coca, e até a espera do ônibus (já por volta das 20 horas, se torna algo divertido).



Ah sim, a ansiedade... Bom, meu peito ainda dói, mas prefiro acreditar que é porque to ficando big (não acredito que escrevi isso) da academia. Eu só precisei prestar mais atenção e detalhar pra mim mesmo tudo que estava vendo, no presente, e parar de pensar no futuro. Respirar bem fundo umas 10 vezes e eleger como "minha música da felicidade", essa que você está ouvindo agora (Playmobille - Dama de Áries). Performei, dancei e dublei ela, o dia todo. Além de contar com a ajuda de amigos incríveis, que transformaram um dia meio merda, em um dos melhores dias do ano. Afinal, a vida tem dessas... Mas caso tivesse escolhido ter ficado deitado na cama, assistindo série no Netflix, (como sempre faço) talvez esse post, essas memórias e esse humor, nunca existiriam. Isso tudo porque a vida não espera, ela se faz existir. Então quem é você que está sentado na janela? 

Ah válavácazadacachorra!