ao teu passo

Quase sempre, costumo andar rápido. Não significando que esteja apressado ou algo do tipo, eu simplesmente tenho um ritmo diferente da maioria das pessoas. E por causa disso, acabo deixando pra trás, quem gostaria de andar ao lado. Em certos momentos, caminho tão cheio de mim, que não percebo estar sozinho. Por hora, até me dou conta, mas prefiro fingir que existe um alguém imaginário, só para continuar caminhando e acreditando (às vezes pode ser muito ruim seguir sozinho).
Daí encontro algumas pessoas, revejo outras, conheço lugares, crio necessidades e vou me adequando aos tipos de solo em que pisarei, e me acostumando pelo os que já passei. As pessoas nem sempre acompanham meu ritmo, ou talvez eu não acompanhe o delas. Depende do referencial que você imagina essa narrativa.


É que eu faço questão de ser quente, de ser presente, de ser afeto, carinho e positividade. Eu quero ser inteiro, mas também metade, a sua metade. O meu outro eu, é parte de desejos seus; que manda coração vermelho, e fala de amor e paixão como se fosse a coisa mais simples do mundo. Porque o mundo já é muito complicado, então simplifica! Pessoas ímpares dão bons pares. 

Te encontrei em meio à um vasto solo de possibilidades. Com nome mas sem endereço, sem referenciais de amigos em comum ou, qualquer possibilidade de te encontrar de outra forma. Você imergiu de um acaso e se tornou, em pouco tempo, o melhor caso que eu poderia estar. Me mostrou as cores do sol que pairava sobre meus olhos, mas não o enxergava; me mostrou o riso solar, que em mim habitava; e me mostrou o amanhã, pisando contigo em um solo que não encontrava.


O solo é ar, do sol, 
é maré, amar é andar ao seu lado, 
diminuir o passo, apressar o olhar, 
correr pro abraço, 
te encontrar em cada sorriso 
e me perder em cada pedido 
porque tudo é tão infinito quando 
meu coração bate junto 
ao teu.